Psilocibina no Fantástico

9


Quando um assunto se torna muito presente na consciência coletiva, a grande mídia logo trata de abraçá-lo e colocá-lo em uma matéria. Ontem o programa “Fantástico”, da rede Globo, finalmente fez justiça ao seu nome e exibiu uma matéria inteira de 4 minutos sobre a psilocibina e os estudos que vem sendo feitos sobre a sua aplicação terapeutica no combate a depressão e problemas psicológicos.

pra quem não viu, aí vai a matéria na íntegra, exibida ontem (18/04/2010), reproduzida diretamente do site do fantástico

Alucinógenos são usados em tratamento de doenças psíquicas

A psilocibina foi descoberta pela ciência nos anos 1950, banida nos anos 1960, em meio à febre das drogas psicodélicas. Agora redescoberta, legalmente, nos laboratórios.


A ciência acaba de fazer as pazes com drogas proibidas há muitas décadas. Pesquisadores voltam a apostar nas substâncias alucinógenas, que alteram a consciência e provocam visões, para tratar de distúrbios como depressão, ansiedade e transtornos de compulsão.

A substância proibida que fez uma revolução na vida do aposentado Clark Martin é um alucinógeno encontrado em mais de cem espécies do chamados cogumelos mágicos.

A psilocibina foi descoberta pela ciência nos anos 1950, banida nos anos 1960, em meio à febre das drogas psicodélicas. Agora redescoberta, legalmente, nos laboratórios.

Nem a psicanálise nem todos os remédios da medicina moderna. Como nada curava a depressão, depois de anos com um câncer no rim, o aposentado se ofereceu como voluntário em uma pesquisa da Universidade John Hopkins, uma das mais respeitadas dos Estados Unidos. E teve, pela primeira vez na vida, uma experiência alucinante.

No laboratório, recebeu uma cápsula com psilocibina – a mesma substância dos cogumelos, só que na forma sintética. Deitado, com uma venda nos olhos, passou seis horas ouvindo música clássica. Foi uma viagem completamente segura.

“No começo é muito assustador, porque todas as imagens e representações da realidade são de certa forma desligadas, elas começam a se dissolver”, diz o psicólogo aposentado.

Cenas multicoloridas e formas completamente estranhas. Os relatos de usuários de alucinógenos, a doideira da música dos Beatles, não foi exatamente assim na experiência científica.

“Não vi cores, não tinha nenhuma sensação ou pensamento na minha cabeça, era um vazio, e eu não me sentia drogado. Lembrei agora do sentimento que tive enquanto estava sob efeito da substância: minha filha e todos os meus velho amigos”, descreve.

Depois disso, o aposentado parou de ter medo da morte e resolveu um enorme problema: “Eu era muito inacessível para a minha filha, e quando eu estava sob os efeitos da psilocibina, me dei conta de que o que ela precisava de mim não era orientação, era meu amor e minha compreensão”, lembra. “Minha vida começou a mudar naquele momento, mas continua, porque o efeito continua sendo reforçado. A maneira como o cérebro processa as coisas fica diferente”, diz.

A experiência que mudou radicalmente, e para melhor, a vida do psicólogo aposentado Clark Martin fez parte de um dos maiores estudos com alucinógenos já realizados nos Estados Unidos. Depois de mais de 40 anos de proibição, um pequeno grupo de cientistas recebeu autorização para lidar com substâncias que sempre foram vistas com desconfiança.

O doutor Charles Grob é responsável pela pesquisa com psilocibina na Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

“Não temos uma droga milagrosa. Temos um modelo de tratamento que pode ser muito efetivo, até mesmo em pacientes que não têm bons resultados com os medicamentos convencionais”, explica Charles Grob.

Foi ainda no século passado que a ciência descobriu a força dos alucinógenos. Mas os exageros transformaram as substâncias psicodélicas em drogas malditas. Agora, só vencendo muito preconceito para transformar a pesquisa em tratamento.

“Da maneira que imagino – e estamos décadas distantes disso – haverá centros de tratamento onde as pessoas poderão ser auxiliadas em uma experiência com substâncias como psilocibina”, comenta Charles Grob.

A estátua de louvação ao cogumelo teria mais de dois mil anos. Foi encontrada no México, de onde chegaram também as primeiras notícias sobre as propriedades medicinais da psilocibina. Paul Stamets já descobriu cinco novas espécies do tal cogumelo mágico.

Paul é um dos maiores especialistas em cogumelo do mundo e comemora as novas pesquisas científicas: “Acredito muito na evolução da consciência e vejo isso como um passo importante em nosso avanço no uso de substâncias naturais para ajudar na saúde mental das pessoas.”

O ilustre morador da floresta concorda com outros pesquisadores: acha que a ciência já perdeu tempo demais ignorando uma substância tão misteriosa quanto promissora.

dany3l

About Author

Psiconauta e pesquisador voluntário

  • renato

    muito bom

  • Emer

    pior que o assunto drogas/enteogenos tá meio que na cabeça das pessoas por causa do caso Glauco.. Essa materia do fantastico é a mesma do New York Times:

    http://enteogenico.blogspot.com/2010/04/novas-pesquisas-cienttificas-com.html

    O Fantastico deve ter corrido atras tb porque aqui no Brasil esse assunto está repercutindo bem.

    abs

  • http://www.touchdown.net André José. Adler

    Todas as substâncias que conhecemos vem da Terra. E todas podem ter efeitos positivos e/ou negativos. Depende de quem usa para o q, quanto, quando e para o q! Né isso?

    • http://mundocogumelo.wordpress.com/ dany3l

      Precisamente.

  • http://nofinodofio.wordpress.com umaequilibrista

    bem,
    não sei se esta esperiência se enquadra no que se falou sobre os cogumelos, mas já tive experiência com daime.

    eu fiquei assustada, pois desmaiei. mas me senti muito muito muito bem depois desse desmaio.

    sei lá, eu tomei e comecei a meditar. isso junto com mais um grupo de pessoas. havia música também no ambiente. na meditação, aos poucos, fui sentindo como se eu estivesse voando num corredor, cheio de portas fechadas. e, lá no fudo, havia uma luz, que foi ficando cada vez maior e, de repente, me absorveu. foi nesse momento que eu desmaiei.

    só lembro, depois, que já estava fora da casa, no chão, deitada, com o pessoal ao meu redor, tentanto entender o que havia acontecido…

    até hoje ñ entendo o que houve comigo, mas me senti muito bem depois. eu suava muito, e era como se, naquele suor, saíssem todas as “sujeiras”, saca? eu me senti limpa depois disso… sei lá, leve.

    mas não voltei a tomar, pois fiquei com medo que acontecesse novamente e algo diferente disso tivesse outras consequências, que eu desconheço quais poderiam ser…

    por isso, acho fundamental q esse procsso seja acompanhado, com pessoas que orientem a meditação, pois há coisas que podem acontecer que fico com medo que fujam do controle…

    mas, que coisa, hein? cogumelos no fantástico! ; ) talvez as coisas estejam mudando… e que bom!

    • http://mundocogumelo.wordpress.com/ Dany3l

      Equilibrista

      As experiências de cogumelo e Ayahuasca (daime) se assemelham pelo fato de serem triptaminas, são experiências enteógenas parecidas até certo ponto, mas cada uma com suas peculiaridades que as tornam na verdade bem específicas.

      Não se preocupe, o medo de se aventurar novamente é comum até para os usuários mais experientes =) Ao sentirmos o poder que essas experiências tem na transformação da consciência do indivíduo, o respeito por essas substancias emerge naturalmente… e só tende a aumentar

      Abraços

      • http://nofinodofio.wordpress.com umaequilibrista

        obrigada pelas dicas!

        lembro q, na semana antes d tomar, recomedaram q eu restringisse algumas coisas nos mues hábitos. e eu fiz.

        mas, realmente, antes de tomar, a gente ñ tem mta idéia do q é… depois q vc tem a experiência é q vc começa a entender um pouco para q ela serve… e começa a respeitá-la, como vc falou. foi o q aconteceu comigo…

        gostaria d ter outras experiências desta natureza, mas qero encontrar um grupo q tenha uma energia com a qual eu me identifique mais, saca? acho importante ter por perto, nestes momentos, pessoas em qem eu confie plenamente, com as quais eu me sinta à vontade.

        bjo, e, mais uma vez, obrigada pelas dicas!

  • Enteo

    Olá! Coloquei seu blog aqui:
    Qq coisa, dá um toque.
    abs!

  • http://mundocogumelo.wordpress.com/ Dany3l

    Grato, irmão.
    Se entrelaça cada vez mais a teia de informação.